Pesquisar este blog

terça-feira, 3 de dezembro de 2013

Art to Heart

Olá Amiga
 
     Você conhece as revistas da Art to Heart? Os projetos da Nancy Halvorsen são bem legais, em aplicação com papel colante, com os moldes e bem fáceis de fazer. Segue a dica:
 
 
algumas revistas que uso para projetos
 
     Para as amigas que estão esperando bebê sempre faço alguns babeirinhos e panos com o nome.

 
 
     Também dá para fazer um babeirinho para o 1º Natal, usando o modelo do babeiro. 
Muito chique o bebê no Natal !!
 
     Hoje na correria deste dia queria deixar a dica das revistas para esta semana.
 
     Ah... quase esqueci... você pode entrar na página da web da Art to Heart e importar direto sua revista. Traga como livro para não pagar imposto. Se você trouxer mais do que uma, vale a pena!
 
 
     Beijos e uma boa semana para você!!!
 
     Karla
 
 

sexta-feira, 29 de novembro de 2013

Papai Noel, Natal e Aquelas Bolachinhas Maravilhosas!!!!

Olá Amiga
 
     Finalmente consegui montar minha árvore de Natal!!!! Não ficou lindinha?
 
Observem os pinduricos de patch !!!
 
      Mas o que tem a ver o Papai Noel com esta festa cristã?  Esses dias a Lulu me perguntou. Este ano é o primeiro que ela não acredita mais no velhinho. E eu confesso que não me lembrava mais. Daí fomos pesquisar e para você não precisar perder tempo quando for questionada sobre o assunto, já posto na coluna.
 
A Verdadeira História do Papai Noel
 
      O Papai Noel que conhecemos que conhecemos hoje, gordo e bonachão, barba branca, vestes vermelhas, é produto de uma imemorial mistura de lendas pagãs e cristãs, a tal ponto que é impossível identificar uma fonte única para o mito. Sabe-se, porém, que sua aparência foi fixada e difundida para o mundo na segunda metade do século 19 por um famoso ilustrador e cartunista americano, Thomas Nast, inspirador, por sua vez, de uma avassaladora campanha publicitária da Coca-Cola nos anos1930. Nas gravuras de Nast, como esta abaixo,

Pindurico Papai Noel à venda por R$ 70,00 com frete incluso
 
 
a única característica atualizada é o longo cachimbo em que ele fumava sem parar, algo que nossos tempos antitabagistas já não permitem ao bom velhinho.
      O sucesso da representação feita por Nast não significa que ele possa reivindicar qualquer naco de paternidade da lenda, mas apenas que seu Santa Clauss - o nome de Papai Noel em inglês - deixou no passado e nas enciclopédias do folclore a maior parte das variações regionais que a figura do distribuidor de presentes exibia, dos trajes verdes em muitos países europeus aos chifres de bode ( ??? ) em certas lendas nórdicas.
      Antes de prevalecer a imagem atual, um fator de unificação desses personagens era a referência mais ou menos direta, quase sempre distorcida por crenças locais, a de São Nicolau, personagem historicamente nebuloso que viveu entre os séculos 3 e 4 da era cristã e que gozou da fama de ser, além de milagreiro, especialmente generoso com os pobres e crianças. É impreciso o momento em que o costume de presentear as crianças no dia de São Nicolau, 6 de dezembro, foi transferido para o Natal na maior parte doa países europeus, embora a data primitiva ainda seja observada por parte da população na Holanda e na Bélgica. Nascia, assim, o personagem o Pai Natal ( em Portugal ) - o Brasil, como se vê, optou por uma tradução literal.
      É curioso que, sendo a língua de Nast uma das que mais preservaram no nome do personagem natalino a memória do santo, a caracterização que ele consagrou seja claramente inspirada na mitologia germânica, em que o deus Odin, de longas barbas brancas, era considerado por distribuir presentas às crianças do alto de seu cavalo voador.
                                               artigo publicado pela primeira vez em Sobre Palavras no Natal de 2010
 
     Aproveitando que estamos falando de lendas e tradições alemãs, aproveito para passar para você a receita da família Knorr para aquelas bolachinhas maravilhosas de Natal!!! Eu faço 3 vidros grandes de bolachinhas todos os anos, rezando para que eles durem pelo menos dois dias!!!!
 
Ingredientes:   250g manteiga sem sal
250g açúcar
500g farinha de trigo
2 ovos
1 pacote açúcar de baunilha
1 colher de sopa de fermento Royal
1 casca de limão ralado
 
Dicas de como fazer: Fazer um buraco no centro da farinha e acrescentar, aos poucos, os ingredientes enquanto vai amassando e socando bem a massa. A manteiga e os ovos deve estar na temperatura ambiente. Abra a massa com um rolo ( aquele usado para amansar maridos!!! Rsrsrsr!!! ) deixando a massa bem fininha. Use muitas forminhas divertidas e diferentes para formatar ( eu costumo comprar forminhas diferentes sempre que encontro e viajo ). A forma deve ser untada ( apesar da receita levar um monte de manteiga ) ou colocar papel manteiga no fundo da assadeira. Forno baixo ( 150 a 180ºC ). Cuidado para as bolachinhas não queimarem, pois depois da primeira fornada, elas assam rapidinho.
 
      Ah...não guarde antes de esfriarem, em um vidro ou lata bem vedada. Eu não decoro quando guardo, decoro quando vou servi-las para que não amoleçam.
 
 
      Aproveitem!!!
 
      Karla

quarta-feira, 27 de novembro de 2013

Papai Noel Pindurico

Olá Amiga
 
     Bem, não dá para postar somente dicas gerais de patchwork, é preciso botar a mão na massa, não é mesmo? Então pensei em um projetinho bem simples, que todo mundo pode fazer, mas que é uma gracinha para dar de presente de amigo secreto ou para colocar na sua árvore de Natal. Por falar nisso, vou montar a minha hoje de tarde. Estou um pouquinho atrasada este ano !!! Também, está um forno aqui no sul !!! Não dá vontade de sair do ar condicionado. Pelo jeito vamos ter um verão terrivelmente quente !!!! Haja paciência !!!!
 
 
Papai Noel Pindurico
 
Material:
 
20cm de algodão crú ( pode ser usado coffee fabric se você ainda tiver um pedacinho ) 
20cm de tecido de algodão xadrez vermelho e verde
fibra acrílica
1 mini guizo da cor que você quiser
2 botões vermelhos ( 1 deles pode ser em formato de flor )
1 óculos de metal pequeno ( você pode fazê-lo de arame dourado )
1 botão pequeno forrado com algodão cru ou um fuxico pequeno recheado com fibra acrílica
50cm de cordão colorido
1 tira de 3cm x 13cm de soft branco
tinta preta, branca e cor da pele para olhos, bochechas e nariz
caneta preta Micron 0,5mm ( ou outra caneta preta permanente para tecido )
lápiz 6B
 
Modo de Fazer:
 
  • Aumente o molde que está postado em xerox. O tamanho do pindurico é de 20cm x 10cm pronto e montado.
  • Recorte nos pontilhado indicado e cole as peças em um papelão para moldes.
  • Em tecido duplo, contorne as peças com o lápis 6B, a barba, o bigode  e a cabeça em algodão cru e o gorro em tecido xadrez e recorte-as, deixando a borda de segurança da costura.
  • Fazer o fuxico de 3,5cm de círculo original ou separar o botão forrado.
  • Costurar onde indicado no molde, deixando as partes abertas indicadas: no gorro a parte de baixo, na barba na parte de cima e na cabeça na parte de cima.
  • Desvirar as costuras do gorro, da cabeça e da barba. Você pode costurar por fora do molde também, que fica bem bonito e recortar deixando uma bordinha.
  • O bigode deve ser totalmente costurado. Abrir um corte reto, no sentido contrário ao da trama do tecido. atrás do bigode e recheá-lo com a fibra acrílica.
  • Rechear a barba, a cabeça e o gorro com fibra acrílica. não encha demasiadamente as peças.
  • Pinte os olhos e as bochechas na cabeça do Papai Noel.
  • Escreva Ho Ho Ho na barba com a caneta para tecido e costure o botão flor. Arremate com o cordão colorido.
  • Dobre o gorro e costure o mini guizo com o cordão colorido. Faça um tope com o guizo.
  • Costure a cabeça no gorro e a cabeça na barba.
  • Costure a tira de soft na costura entre a cabeça e o gorro.
  • Costure o botão vermelho restante no gorro. Você pode acrescentar uma decoração junto com o botão, como um tope verde ou um raminho de azevinho.
  • Costure o bigode no papai Noel.
  • Costure o nariz como indicado na foto.
  • E por último, cole ou costure os óculos em cima do bigode.
     Não esqueça de costurar um laço para que o pindurico possa ser pendurado na árvore de Natal.
 
     Tenho certeza que o seu trabalho ficará fantástico, mesmo que seja um dos seus primeiros. É muito gratificante acrescentar itens novos e feitos por você mesma nesta festa familiar de final de ano, acredite !!
 
     Até a próxima coluna.
 
     Ah, e a partir de agira estarei postando no Face. Siga Karla Knorr.
     Abraços
 
     Karla
 
 


terça-feira, 26 de novembro de 2013

Cuidados com sua Lâmina de Corte

Olá Amiga

    A lâmina de corte é uma das ferramenta de patchwork mais usadas e importantes. Através dela cortamos os preciosos pedacinhos de tecidos que vão compor nosso trabalho. Portanto, cuidar desta ferramenta significa manter o seu trabalho com alta qualidade.
 
     Lembre-se sempre: NUNCA rasgue o tecido para usar em seus quilts. Mesmo que você vá acertar o tamanho do quilt com lâmina de corte, o tecido fica esgarçado e as medidas requeridas não combinarão no final. Afinal, os tecidos recomendados para patch são de algodão 100%, que tem fibras mais frágeis que os sintéticos, deformando facilmente quando tensionados, o que ocorre quando o rasgamos.
 
    Seguem alguns cuidados para manter seu cortador com qualidade por mais tempo:
 
1. Sempre guarde o cortador com a lâmina retraída, isto é, fechada. Mantenha-a longe do alcance de crianças. Tenha certeza de cortar os tecidos em uma placa de corte limpa. Alfinetes e outros acessórios de metal podem causar "dentes" na lâmina. Cuide-se para não deixar nenhum dedo no caminho da lâmina. Eu mesma já cortei diversas unhas e já presenciei um corte profundo por falta de cuidado ao manusear a lâmina.
 
2. Periodicamente remova a lâmina do cortador e cuidadosamente a limpe, removendo o pó e qualquer resíduo que possa estar aderido a ela ou ao cortador: desmonte o cortador, mantendo suas partes dispostas na sequência em que foram removidas. Coloque uma pequena gota de óleo de máquina de costura em torno do centro da lâmina, no cortador, antes de monta-lo novamente.
 
3. Substitua a lâmina sempre que necessário. Execute o mesmo procedimento da limpeza, desmontando e separando as partes do cortador, conforme são removidas, para facilitar sua remontagem, Coloque uma lâmina nova e monte o cortador. Disponha a lâmina removida na embalagem da lâmina nova. Você pode levar a lâmina velha até a sua loja de patch de confiança para que esta a descarte, pois eles certamente devem ter separação seletiva para partes metálicas.
 
4. Alta umidade pode enferrujar a lâmina de corte. Como prevenção, guarde o cortador em um lugar seco e arejado.
 
5. Nunca corte fibras sintéticas ( mantas ) com lâminas de corte. Para cortá-las, use uma tesoura específica para este fim.
 
6. O trio cortador, base para corte e régua de acrílico são o seu melhor amigo para a manutenção do fio de corte por tempo prolongado. Sempre é um bom investimento ter qualidade neste trio.
 
     Se você está iniciando e quer comprar somente um cortador para começar, sugiro adquirir a lâmina de 45mm. Encontra-se cortadores de pelo menos três tamanhos de lâmina diferentes. O de 45" é a melhor pedida.
 
     Viu como é fácil? Com estes cuidados básicos sua lâmina durará o dobro do tempo.

     E para inspirá-la, afinal hoje ainda é início de semana, compartilho um poema de Pablo Neruda em Antología Poética II:

     " Ahora me dejen tranquilo.
Ahora se acostumbren sin mí.
 
Yo voy a cerrar los ojos.
 
Y solo quiero cinco cosas,
cinco raices preferidas.
 
Una es el amor sin fin.
 
La segunda es ver el otoño.
No puedo ser sin que las hojas
vuelen y vuelen a la tierra.
 
Lo tercero es el grave invierno,
la lluvia que amé, la caricia
del fuego en el frío silvestre.
 
En cuarto lugar el verano
redondo como una sandía.
 
La quinta cosa son tus ojos.
Matilde mía, bienamada,
no quiero dormir sin tus ojos,
no quiero ser sin que me mires:
yo cambio la primavera
por que tú me sigas mirando.
 
Amigos, eso es cuanto quiero.
Es casi nada y casi todo."
 
     Maravilhoso, não é?
     Até a próxima coluna.
 
     Karla

 
 

sexta-feira, 22 de novembro de 2013

Dicas de Livros Básicos de Patchwork

 
Olá Amiga
 
      Hoje, sexta-feira, véspera de fim-de-semana, dia mundial de tomar cerveja, como já dizia aquela propaganda de televisão, posto dicas de dois livros bem legais sobre patch para quem está querendo arrumar os seu cantinho com mais organização e aprender sobre as mais variadas técnicas disponíveis nesta ciência de criatividade e habilidades manuais.

 
      Contando uma historinha para descontrair, a Bella, minha filha maior, quando chegava em casa da escolinha e ela ainda era um pinguinho, devia ter quatro ou cinco anos, olhava para mim e cantava essa musiquinha da cerveja, que já nem me lembro mais de qual marca, bem alto, anunciando o findi que finalmente estava chegando. E eu dizia rápido para ela... Chhhhhhh, o que as pessoas vão pensar? Que eu te dou cerveja nas sextas-feiras, guria! Fica quieta!!! O que é o poder do marketing através destes gingles de TV, não é mesmo? Grudam na nossa cabeça e não conseguimos mais esquecê-los, mesmo que não sejam nenhuma maravilha. Outro gingle grudento é o do remédio Neusaldina ( nem sei se escreve-se assim!! ), bem difícil de se livrar dele!
 
     Mas voltando aos livros, seguem:
 
Creating Your Perfect Quilting Space - Lois L. Hallock - Martingale & Company
Complete Guide to Quilting - Better Homes and Gardens - John Wiley & Sons Inc
 
 
     O 1º guia prático para quem ainda não tem o seu espaço permanente em casa e quer montá-lo. Indica a altura correta para a mesa de corte, mesa de trabalho e máquina de costura, como armazenar suas ferramentas e tecidos, qual a iluminação correta para não prejudicar os seus olhos, layout do espaço ( para todos os tamanhos e custos que caibam na sua salinha e no seu bolso ). Tem desenhos das propostas e fotos da organização destas. Fala um pouco sobre os benefícios de cada proposta e de como solucionar os problemas mais comuns de espaço para que você tenha o seu cantinho ergonomicamente correto, dentro do seu orçamento e do seu gosto.
 
     O 2º fala bem detalhadamente dos fundamentos do verdadeiro quilt e patchwork, técnicas, ferramentas adequadas, acessórios, como selecionar a paleta de cores para o seu trabalho, sobre os padrões e desenhos, como montar os blocos, sobre as medidas mais variadas de tecidos e peças de quilt, sobre costurar à mão e à máquina e muitas outras informações. realmente vale a pena adquirir. A única desvantagem é para quem não entende inglês. Os melhores livros são americanos e as melhores revistas australianas, na minha opinião, é claro.
 
     Selecionei para a coluna de hoje a dica do Guide to Quilting sobre limpeza do se quilting. Existem muitas dúvidas sobre o melhor método de limpeza e esta é uma pergunta frequente das amigas que lêem esta coluna ou me encontram em feiras e eventos.
 
     " Evite lavar o seu quilting, a menos que seja muito necessário. A lavagem, mesmo quando com extremo cuidado e gentileza, causa o desbotamento dos tecidos e a abrasão das fibras naturais e sintéticas, no caso das mantas acrílicas, quando usadas ( eu preferencialmente uso mantas de algodão sempre que possível ).
 
     1. Arejar seu Quilting: anualmente coloque os seus trabalhos no varal em um dia seco e ventoso ( pelo menos uma brisinha deve estar presente! ) para serem arejados. Você também pode colocar os seus trabalhos no chão seco e limpo, em cima de um cobertor, toalha ou manta. Cubra os trabalhos com um pano limpo ou lençol, de forma que nenhuma sujeirinha caia em cima e manche o tecido ( como os detritos daqueles passarinhos lindinhos que cantam na sua janela no raiar do dia!! ). Evite pendurar os quilts em cordas para roupas, pois podem provocar marcas permanentes.
 
     2. Aspiração: aspirar os trabalhos com o aspirador de pó, frente e verso do quilt, evita o acúmulo de poeira e sujeiras do meio ambiente. Use um paninho com a malha bem aberta na saída do aspirador e o prenda com um cordão, de forma que o trabalho fique protegido de um vácuo excessivo. Passe o bocal forrado com delicadeza sobre a superfície. Sempre aspire os seus trabalhos antes de guarda-los, mesmo que ainda não estejam finalizados.
 
     3. Lavagem: adote como recurso somente se os métodos anteriores não foram eficazes, pois os quilts de algodão podem ser lavados em água fria, com sabão de coco ou glicerina, à mão ou no ciclo mais leve de sua máquina de lavar roupas, dentro de um saquinho protetor próprio para a lavagem de mais de nylon e seda, se a sua máquina de lavar for moderna e dispor de ciclos para este tipo delicado de roupas. Não centrifugue ou torça o seu trabalho; ao invés disso, aperte-o gentilmente para remover o excesso de água. Quilts molhados são pesados e devem ser dispostos para secar de modo que não estiquem com o seu peso. recomenda-se dispô-los em um lugar plano e seco.
 
     3.1 Lavando à Mão: use um recipiente que não tenha sido anteriormente usado com sabões ou detergentes.
   Coloque uma toalha grande ou pano limpo dentro deste recipiente para apoiar o quilt.
   Previamente dissolva o sabão em água, antes de coloca-lo no recipiente. Certifique-se de que haja suficiente água no recipiente para cobrir o quilt.
   Disponha o quilt sobre a toalha, dentro do recipiente e gentilmente o agite. Nunca o torça ou esfregue.
   Enxague o quilt tirando a primeira água e colocando água limpa novamente. repita este ciclo até que o sabão seja totalmente removido e a sujeira desapareça da superfície do quilt.
   Pressione o excesso de água ainda contida no quilt. Comece a espreme-lo pela parte de baixo e vá subindo até o topo do trabalho. Use uma toalha seca sobre o quilt para remover a maior quantidade de água possível por absorção na toalha.
   Remova o quilt ainda na toalha e o deposite em uma superfície seca e arejada. nunca coloque o seu quilt ao sol. Deixe-o secar naturalmente, mas se estiver com muita pressa, o secador de cabelo no modo frio pode acelerar este processo sem danificá-lo.
 
   3.2 Lavando em Máquina de Lavar Roupas: somente para máquinas de lavar com ciclo para roupas delicadas!!
   Encha a máquina com água limpa e dissolva o sabão.
   Coloque o quilt na máquina, já dentro do saquinho para roupas sensíveis. Deixe a máquina lavar, em ciclo leve, por 15 minutos, sempre checando se o seu trabalho não embolou no tambor.
   Repetir os passos anteriores se o seu quilt estiver muito sujo.
   Usando este ciclo para roupas delicadas, você pode centrifugar o quilt.
   Retire o quilt da máquina e o deposite em uma toalha limpa e seca e o coloque para secar em lugar seco e plano, longe do sol.
 
   3.3 Lavagem à Seco: é aconselhável a checagem de referências sobre a lavanderia antes de confiar seu quilt a uma lavanderia. A lavagem à seco pode causar desbotamento, enrugamento e troca de coloração em tecidos de algodão. A lavagem à seca é o último recurso a ser utilizado. Somente recorra a este tipo de lavagem caso os métodos anteriores não tenham removido a sujeira mais resistente.
 
     Um abraço e aproveite bem o seu findi!
 
     Karla
 
 
   

quarta-feira, 20 de novembro de 2013

Tirando o Mofo

 
Olá Amiga
 
     Não, não me refiro à remoção do mofo de tecidos e peças de patch. Estou falando de tirarmos o mofo que se acumulou em nós mesmas durante o inverno. Falo em tirar as roupas fresquinhas do guarda-roupas e experimentá-las, em sentir o toque dos tecidos levinhos no corpo e sentir o vento morno no rosto. Em pisar pela primeira vez, desde o último verão, nas águas do mar.
     Não sei se você também se sente assim quando o calor da primavera está voltando, mas eu me sinto como se me renovasse novamente. Tenho vontade de caminhar, de passear, de visitar novos lugares, de sentir os pés descalços, de sentir o roçar dos tecidos nas pernas, de plantar e renovar as minhas plantinhas, de fazer novas almofadas para a sala e de decorar a casa para o Natal. Sinto todas essas coisas juntas na primavera. Será que estou virando uma abelhinha?
     Com certeza as minhas pequenas estão. Olha só a Lulu correndo no mar ( mesmo com a água não muito limpa e um baita ventão ) alegre e solta, neste último feriado.
 
Lulu tirando o mofo!!
 
     E quanto às plantinhas? Algumas amigas me perguntaram como estavam as minhas orquídeas, que todos os anos, quando estão florindo, posto nesta coluna. É isso ai!!! Algumas amigas seguem as minhas florezinhas e não a minha coluna! Bárbaro, como fala a Carmen, minha amiga espanhola! Quem vai discutir tamanho bom gosto?
     Bem, amiga, este ano nem todas elas resolveram aparecer. Algumas ainda estão tímidas. Talvez eu não tenha dispensado tanta atenção a elas como costumava fazer antes, quando floriam, lindas, para o nosso deleite. Mas a minha fiel escudeira branquinha, que fica no atelier em casa, e que eu tenho o prazer de ver todos os dias, floriu para anunciar que a época de tirar o mofo chegou. A compartilho com você !



Minha escudeira mais fiél!!!
 
 
     Mas ok, vamos falar um pouquinho de limpeza dos mofos reais, que aparecem em nossa casa devido à umidade do inverno. Primeiramente vou lhe indicar uma boa leitura. Separei dois livros que são bem legais e úteis para aprendermos a fazer nossos próprios detergentes e limpadores e para conhecermos novas e corretas maneiras de remover aquelas manchas de gordura, vinho ou mofo. E nestas edições ainda encontramos dicas de organização e segurança.
 
 
Casa Limpa e Arrumada - Donna Smallin - Editora Gente
Guia de Casa e Jardim de Organização - Editora Globo
 
     Eu acho que já dei estas dicas de livros antes, mas vamos combinar.... é um saco buscar dicas antigas em blogs e a nossa memória sempre precisa de uma refrescadinha, não é? E estes valem o seu preço.
 
     Separei alguns hints para você. " Os fungos e bolores são, na verdade, organismos que se desenvolvem em ambientes quentes e úmidos e causam problemas que variam de frieiras ( pé-de-atleta ) a crises de asma ( você conhece alguém que não tenha alguém com asma alérgica em sua família bem próxima? Eu não!!! A Lulu tem bastante ), além de outros distúrbios respiratórios. " Então vamos arejar!!!!
 
     " Faça você mesma o seu limpador multiuso:  misture 1 colher de chá de sabão-detergente à base de óleo vegetal, 1 colher de chá de sabão-detergente à base de bórax e 2 colheres de sopa de vinagre branco a um quarto de litro de água quente. "
     É só olhar a lista de conteúdo no rótulo dos produtos de limpeza no supermercado que você acha os ingredientes.
 
     " Produto de Limpeza Natural com Desinfetante: misture 15 gotas de extrato de sementes de toranja com 2 xícaras de água morna e ponha a mistura em um frasco borrifador. Dobre a dosagem do extrato se quiser uma solução poderosa para as tarefas mais pesadas. O extrato de sementes de toranja também alveja pias, banheiras e azulejos. " OK, extrato de toranja não é assim tão moleza de encontrar, mas procure em uma casa de produtos naturais de sua confiança e peça a eles que comprem para você. Tenho certeza que você consegue!
 
     Bem, mas o mofo ou bolor estiverem muito fortes e você não quer ter o trabalho de fazer os seus próprios produtos? Então neste caso, faça o seguinte: esfregue a área afetada com uma solução fraca de detergente, por exemplo, algumas gotas de detergente líquido dissolvidas em água quente. Depois esfregue com uma solução de 1/4 de xícara de alvejante à base de cloro líquido diluído em 1 litro de água. Espere 20 minutos e repita a operação.
     O vinagre puro é uma alternativa natural ao alvejante à base de cloro líquido, embora não seja tão eficiente quanto ele para eliminar os esporos de bolor. Para usá-lo, derrame vinagre branco destilado em um borrifador e borrife diretamente na área mofada. Deixe o vinagre agir - não o enxague. Mas não use o vinagre no rejunte, pois ele pode corroê-lo. Outros produto natural para eliminar mofo e bolor é o chá de érica, também encontrado em lojas de produtos naturais.
 
     E ai? Gostou das dicas? Vamos dar um fim no nosso mofo?
     Se você tiver alguma outra dica que queira compartilha com todas nós amigas de patch, é só escrever nos comentários.
 
     Abraços bem arejados para você e até a próxima coluna.
 
     Karla
 
  




segunda-feira, 18 de novembro de 2013

Escreva o Livro Que Você Quer Ler

Olá Amiga
 
     Eu adoro ler! Especialmente passear pelas livrarias e escolher dois ou três livros e compra-los. É um prazer que só quem compartilha o amor pelos livros pode entender. É fácil me encontrar na Saraiva do Iguatemi ou na Cultura do Bourbon Country aos sábados, perdida no meio de livros e revistas. Às vezes até encontro algumas amigas que me reconhecem e pedem conselhos sobre as últimas revistas de patch ou de scrap.
     Mas, enfim, esta introdução foi escrita para contar que, em uma destas minhas andanças, encontrei este pequeno livro, que me chamou a atenção pelo inusitado do título, que cumpriu esplendidamente sua função de chamar a atenção para a criatividade e que agora compartilho com você:
 
 
 

     O autor foi bastante feliz em sua mensagem. Particularmente não gosto de livros de autoajuda, e confesso que não esperava que este o fosse, mas ele não deixa de ter uma pincelada de boas frases e dicas para dar um up no seu momento mais murchinho.
     Pensei umas cinco vezes e acabei não resistindo ao apelo da capa: comprei e li! Não me arrependi, o que já é uma grande coisa para um livro simples e direto como este e até tirei mensagens que me motivaram. Bárbaro! Vou compartilhar um pouquinho, citando algumas pérolas do autor Austin Klein.
     O livro fala de como desbloquear a criatividade e está dividido em 10 capítulos:

1. roube como um artista
2. não espere até saber quem você é para começar
3. escreva o livro que você quer ler
4. use as mãos
5. projetos paralelos e hobbies são importantes
6. o segredo: faça um bom trabalho e compartilhe-o com as pessoas
7. a geografia não manda mais em nós
8. seja legal ( o mundo é uma cidade pequena )
9. seja chato ( é a única maneira de terminar um trabalho )
10. criatividade é subtração

     Claro que eu não vou contar sobre todo o livro para que você não perca o interesse nele, eu não sou desmancha-prazeres, mas algumas tiradas do autor são bem legais, olha só:

     " O melhor conselho que tenho a dar não é que você escreva sobre o que você conhece, é que escreva sobre o que gosta. Escreva o tipo de história de que você mais gosta - escreva a história que você quer ler. O mesmo princípio se aplica à sua vida e carreira: sempre que estiver perdida sobre o que fazer em seguida, pergunte-se: o que faria disso uma história melhor? "

     Deu para sentir a pitadinha autoajuda, né? Apesar do livro ser direcionado para escritores, dá para contextualizar para a nossa vida. Consegue perceber?
     Outro capítulo diz assim: " comece copiando: ninguém nasce com um estilo ou uma voz. Não saímos do útero sabendo quem somos. No começo, aprendemos fingindo que somos nossos heróis. Aprendemos copiando. " E aqui vai a minha contribuição para aquelas amigas que tem medo de começar a costurar ou acham que não levam jeito, que não sabem escolher as cores para o seu trabalho e não acreditam que vão conseguir terminar um trabalho legal: comece copiando de livros e artesãs que mais tem a ver com o seu estilo. Com o tempo você vai achar o seu próprio estilo de patchwork e se você se apaixonar por ele, como eu me apaixonei, vai desenvolver o seu próprio estilo. O negócio é começar.
     E para aproveitar as dicas do Austin, repaginei alguns conceitos deste blog. Além do patch e do scrap, sobre os quais eu já venho escrevendo esta coluna, agora vou incluir mais alguns temas que adoro. Espero que tenhamos alguns gostos em comum e que possamos compartilhar mais do que somente alguns pontos em pedacinho de pano, mas que possamos nos conhecer melhor e trocar experiências de vida.

     Seguem algumas das coisas que mais gosto na vida:
    
Claro! Em primeiríssimo e disparado lugar, as minhas filhas queridas e companheiras, Bella e Lulu
 
Patchwork e chimarrão são um casal muito importante no meu dia-a-dia ( sempre com um enfeite na cuia, que é para manter o estilo, né? )

Os meus paninhos de coffee fabric. São a minha marca em folk e country. Adoro!!!

Botões são quase um vício, tenho milhares e continuo adicionando à minha coleção. aliás, meus trabalhos sempre tem muitos botões diferentes

Encadernações. Gosto de encadernar em patch ou scrap os cadernos das gurias e as agendas. Esta semana inicio a produzir as agendas 2014 para as amigas que me pedem. um luxo só!!
Comprei até um livro sobre bookbinder manual, que é a técnica de encadernação de livros, para fazer os meus próprios. Qualquer dia desses este pode ser o tema de uma coluna.

Uma mesa bem decorada. A refeição fica mais saborosa. Tenho diversos jogos americanos diferentes para alternar e não deixar a mesa sem charme. Nesta foto o suporte é natalino, em madeira pintada à mão.

Gramado. Para quem já esteve lá não é preciso falar muito. Para quem ainda não foi, VÁ !!!!

Fazer almofadas. gosto muito, principalmente as em motivos de casinhas. Casinhas já são uma predileção e tenho vários projetos em que elas estão inclusas. Esta é uma almofada nova para a sala de estar da minha casa.

Esta almofadinha é o mais novo item da minha sala. Com coffee fabric, bordados, casinhas e paninhos folk importados. Tudo de bom !!!!
 
     E ai? Gostou da dica de livro de hoje? espero que sim! E como recomenda o autor e eu apoio, o importante é que a gente pare, pense naquelas coisas que nos motivam e nos fazem sorrir e que a gente comece a valoriza-las, compartilha-las e ama-las ainda mais.
 
     Eu já comecei. E você? O que está esperando?
 
     Uma boa semana para todas nós!!!
 
Karla Knorr
 
 
 

quarta-feira, 13 de novembro de 2013

E chega o Final de Ano !!!!

 
Olá Amiga
 
     OK, ok, ok......eu sei que ando com muita preguiça de escrever o blog, mas vamos combinar que eu estava precisando e merecendo um descanso!!!! Mas devido aos muitos e-mails e mensagens recebidas ( obrigada pelo carinho !!! ) pedindo novidades e ideias para o Natal e para enfeitar a casa, tanto no final de ano, quanto no início do Ano Novo, prometo atualizar a coluna com maior frequência.
 
     Ainda selecionei algumas dicas sobre tecidos, bem interessantes, que encontrei na 2ª edição do Manual Básico de Patchwork da Revista Patch e Afins de alguns anos atrás.
 
" Retalhos são pequenas jóias. Não jogue fora! Se tem mais que 2cm, então é retalho e poderá ser muito valioso um dia. Reserve uma caixa, pote ou saquinho ( eu tenho algumas caixas e saquinhos separados por cores!!! ) para guarda-los. Isso não é apenas uma questão de economia. A variedade acumulada servirá para a montagem de trabalhos lindos que sem a disponibilidade destes restinhos, não seriam possíveis.
Charms: é a denominação dos retalhos quadrados cortados com um tamanho determinado ( os mais comuns são de 5", mais ou menos 12,5cm ). Mas existem charms que vão desde 2cm até 30cm. Faça saquinhos identificando os tamanhos e recorte sobras de tecidos em tamanhos de charms. Vá juntando, que em pouco tempo haverá material suficiente para a produção de um trabalho lindo. 
Não use amaciante na água em que for lavar os tecidos, a não ser que eles não sejam usados para aplicações com entretela colante ou papel termocolante. O uso de produtos químicos como amaciante ou sprays para passar interfere na química utilizada neles e atrapalha  a fixação.
Guarde também em potes restinhos de papel termocolante novos ou já com tecido aplicado. Os que já estão com tecido poderão ser aproveitados em trabalhos que precisem de pedaços pequenos, como aplicações de flores, folhas e outros detalhes.  
Camisas, roupas de criança , lençóis e quaisquer tecidos antigos, mesmo usados, podem render peças lindas e com um valor histórico incalculável. Portanto,  guarde todas essas peças que tem pedaços em bom estado. A melhor forma de fazer isso e não cair na tentação de jogar fora é desmanchar as peças e montar pequenos kits de retalhos. Prenda nesses retalhos de tecido, com um alinhavo, um pedaço de papel com sua história."

     E agora uma dica minha: NUNCA guarde tecidos ou trabalhos inacabados ( e todas nós sabemos que temos alguns que não estamos com vontade de finalizar em algum momento! ) com alfinetes, pelo menos se estes não forem em aço inox, única exceção possível.
 
     E por falar em trabalhos inacabados, confesso que sempre tenho alguns. Quando enjoo de algum que esteja fazendo ou quando outro me motiva mais, eu os guardo em caixas plásticas, daquelas brancas com prendedores coloridos que se compra em supermercado. As amigas mais organizadas identificam o seu conteúdo com etiquetas na lateral da caixa, para facilitar a busca destes trabalhos, quando a vontade voltar. E me acredite, mais cedo ou mais tarde a vontade de finalizá-los voltará.
 
     Agora seguem algumas peças encomendadas por uma amiga para seus presentinhos. São boas dicas para o Natal e para aqueles presentes que sempre surgem no final ou início de ano. Eu já estou preparando alguns para mim!

Caixas para bombons e panetone

Detalhe da lateral das caixas ( pequena com 7cm de altura e grande com 13cm de altura )

Pote para balinhas e biscoitos

Saquinhos em tecido para lembrancinhas e presentinhos ( acompanha uma fita para fechamento )

Panô de renas e presentinhos de 104cm por 46cm ( eu colocaria na sala de estar, perto da árvore de Natal: UM LUXO!!! )

Detalhe do panô de renas

Outro detalhe do panô

Guirlanda de Natal 2013 ( 44cm )
 
Trilho de Natal com pano assado e aplicações ( 37cm por 96cm )

Detalhes das aplicações

Toalha de mesa quadrada feita com coffee fabric de 1,20m e aplicações
 
Detalhes da aplicação nos quatro cantos da toalha
 
Etiqueta para personalizar seu presente especial
 
     Essas foram as dicas de hoje. Espero que você as aproveite e mais do que tudo, possa curtir as peças em patchwork.
 
     Um abraço
 
     Karla




domingo, 25 de agosto de 2013

Materiais para Patchwork

Olá Amiga

    Não sei como está o tempo onde você mora, mas aqui no sul está chovendo muito, friozinho, um domingo perfeito para acender a lareira, ou no meu caso o fogão à lenha do atelier e costurar o dia inteiro. Uma delícia! Então achei esta guirlanda bem própria para inspiração neste dia chuvoso.

guirlanda de outubro

temas de comidinhas sempre são bem lembrados para projetos de dias chuvosos

caprichar nos acabamentos também é uma boa pedida para seus projetos ficarem com o seu jeitinho 

     Seguindo as dicas para seus materiais de patch, hoje na coluna vamos falar de tesouras, papel cola e linhas.

     Papel Cola ou Termocolante: usado para aplicações de tecido, é encontrado em lojas de patch e artesanatos. Existem os importados e os nacionais. 
     Os importados não grudam na agulha e o seu caseado fica mais perfeitinho. Recomendo, sempre, casear a aplicação ou bordar a peça para não haver problema de descolamento, embora existam versões heavy     ( mais resistentes ) de papéis importados que permitem aplicações e lavagens sem necessidade de caseados para fixar as peças. Para os importados existem ainda em 2 versões, uma versão de papel mais estreito        ( para usar este papel você tem que ter cuidado ao montar a sua sua aplicação, pois ele se desloca muito facilmente ) e uma versão chamada HeatBond, de melhor força de colagem ou ainda HeatnBond Lite e UltraBond. Ambos os papéis importados requerem baixa temperatura para a aplicação em ferro de passar. Se você aplicar vapor ou  a temperatura muito elevada, a cola queima e você perde a peça de aplicação. Recomendo que você faça um pequeno teste de temperatura quando comprar um novo papel cola.
     Já os papéis nacionais, apesar de terem sua qualidade muito melhorada ultimamente, são grudentos e podem manchar suas peças se você não tiver  cuidado ao aplicar calor. Mantenha suas mãos limpas e limpe a agulha com álcool de vez em quando ao casear, para que seu trabalho fique com qualidade. A vantagem deste papel é que é muito mais largo e barato que os importados.
     Enfim, sugiro que você teste os dois papéis e defina qual deles está mais de acordo coma sua necessidade e gosto.

     Vamos aproveitar que estamos falando de colagens para falar do ferro de passar. Sugiro fortemente que você tenha um ferro somente para fazer seus trabalhos em patch e com o tempo um ferro de passar somente para as aplicações. Veja que você estará usando colas e papéis cola e, as vezes, ao colar peças bem pequenas, a cola acaba passando para a base do ferro e você corre o risco de, ao passar outra peça de trabalho, manchar definitivamente seu trabalho. isso acontece até com as melhores patchworqueiras e obviamente é muito chato. Então, enquanto você não adquire um ferro exclusivo para este fim, sempre limpe seu ferro de passar ao finalizar uma atividade de aplicação com cola.
     Outra dica... você pode ter um ferro bem simples para patch, pois os ferros à vapor não são recomendados. O vapor pode manchar seus tecidos. 
     Já para passar melhor seus tecidos e desfazer aquelas marcas de dobraduras, faça uma solução de água com uma colher de álcool e a coloque em um borrifador. Você pode usá-la para aspergir nos tecidos na preparação e corte de seus projetos.

     Tesouras: procure adquirir tesouras de boa qualidade. O corte de tecidos é um fator importantíssimo para garantir a qualidade de seu trabalho e requer uma tesoura exclusiva para este fim. Recomendo as de aço inox, sempre.
     Com o tempo sugiro que você tenha uma tesoura exclusiva para tecido, uma para papéis e outra para mantas acrílicas ou de algodão. Cada material tem sua textura própria e vai desgastar o fio da tesoura de forma diferente, o que afetará os demais cortes que vocês irá fazer. 
     Normalmente temos uma tesoura alemã pássaro, pequena, com a forma de um pássaro dourado na base. Esta tesoura é usada para arremates e bordados. Também usamos a tesoura de picote, a qual uso muito para acabamentos em bichinhos e peças decorativa. Pode-se adquirir ainda uma tesoura teflonada para cortes de papéis colantes. Esta tesoura é usada para scrapbooking e você pode compartilhar com o patch.

     Linhas: as linhas 100% algodão são as mais recomendadas e utilizadas para patchwork, pois como usamos ferro de passar para abrir as costuras, corre-se o risco de, ao usar-se linhas de poliéster, que o calor derreta a linha você comprometa sua costura. 
     Normalmente usa-se a linha de patchwork para quilt e caseados e a de algodão para costurar à mão ou à máquina de costura ( observe as próprias para costura à máquina ).
     Hoje eu uso muito a linha sulky para caseados. É uma linha mais nobre, brilhante e confere um acabamento muito bom à peça. Gosto muito da sylko para dobra de agulha e aplicações, também.
     Existem ainda linhas invisíveis, que não aparecem no seu trabalho e aquelas que se desmancham quando aplicado calor, estas bem específicas para determinadas técnicas. Linhas metalizadas sõa muito usadas nas épocas de Natal e Páscoa. 

     Além destes materiais básicos, você deve ter uma boa fita métrica em centímetros ( se você achar, sugiro adquirir uma fita métrica em polegadas, também ), um abridor de costuras, entretela para foundation            ( técnica de patchwork ), variados estêncils ( usados para marcar diferentes modelos para quilt ), papel manteiga ( para moldes ), papelão ou cartolina para moldes, botões e peças de aplicação, retalhos de tecidos ( sempre de algodão ), rendinhas, contas e miçangas, pincéis e tintas para tecidos.
     Algumas técnicas requerem materiais específicos, mas para estes recomendo consultar sua professora ou as vendedoras das lojas especializadas para que você não corra o risco de adquirir materiais errados.

     Bem, acho que o básico foi descrito nestas últimas colunas e espero que tenha lhes dado uma boa idéia. 

     Boa semana para você.
     Karla

terça-feira, 20 de agosto de 2013

Olá Amiga

     Hoje vamos prosseguir nas dicas básicas para o patchwork. Você já conhece as ferramentas básicas, mas ao longo do tempo, se você se apaixonar pelo patch como eu, vai adquirindo para facilitar seu trabalho e fazer projetos cada vez com maior qualidade.
     Então seguem as novas dicas:

Aula de uso de linha e possibilidades de pontos em máquina de costura. Observe que quanto mais linhas e opções de cores você tiver, maior serão as possibilidades de diversificar e incrementar seus projetos.

Claro que não pode faltar o chimarrão na hora do patch, aqui no RS

     Já fica a orientação sobre a iluminação: preferencialmente luz natural, então, se você puder, arrume o seu cantinho de patch perto de uma janela. E lembre-se que precisamos de 10 vezes mais luz para costurar do que a necessária para atividades manuais usuais. Somente desta forma você conserva seus olhos sempre saudáveis e produz peças de alta qualidade. Observe que dependendo da cor da lâmpada usada, a cor de seu trabalho ficará diferente. Então sempre cheque a paleta ( seleção ) de cores na luz natural antes de iniciar seu trabalho. Dica de garantia de que você vai gostar do seu trabalho ao acabá-lo.

                                                         Mesa de passar confeccionada para patchwork ( deve ficar em cima de um balcão ou mesa, junto com o ferro de passar )

                                                          Foto de uma aula de patchwork em POA ( para quem não sabe, eu sou a que está de vermelho. Que saudades destas aulas na loja !!!)

     Alfinetes: obviamente você começa com os alfinetes que tem em casa, mas se você for comprá-los, dê preferência para alfinetes próprios para patch e para aqueles que se adaptam às máquinas de costura sem quebrar a agulha da máquina. Desta forma você investe somente uma vez. Estes alfinetes são fininhos e longos e tem cabeça achatada.
     Quanto mais finos, melhor, assim não deixam marcas no tecido, o que pode acontecer com os mais grossos, assim como com aqueles alfinetes de segurança para fraldas. Cabeça grande e achatada também é recomendável, mas para marcações para alinhavo ou quilt, você pode usar uns com cabeça de bolinha. Os amarelos da Clover são os meus preferidos. Sempre em aço inox para não enferrujarem, o que pode danificar permanentemente seu trabalho.
      Existem ainda alfinetes próprios para a técnica Aplicação. estes são bem pequenos e finos para não atrapalhar seus pontos invisíveis. São importados e um pouco chatos de achar, mas consulte lojas de patch via internet antes de se deslocar para comprá-los. A Clover possui uma boa variedade de materiais para patch. 

     Agulhas: as mais usadas são apropriadas para quilt. São pequenas e pontiagudas, bem finas. Quanto menor a agulha, mais precisos serão os seus pontos. Com o tempo você será capaz de notar uma grande diferença ao usar agulhas diferentes.
     Agulhas importadas tem numeração e variam das menores às mais longas. Ótima opção para adquirir agulhas para a maior parte se seus trabalhos. São encontradas em blisters multi-produtos. A mais recomendada é a nº 10, se você optar por adquirir somente uma.
     A qualidade da sua agulha vai determinar a qualidade do seu trabalho e os danos que poderão ser feitos no seu tecido e linha. Desta forma, invista sempre em boas agulhas.
     Existem ainda agulhas para cegos, que, apesar do nome, não são para cegos, mas para quem tem dificuldade de passar a linha pela agulha. Elas possuem um rasgo na cabeça para não precisarmos mirar a linha na passagem pela agulha.
     Ainda encontramos as agulhas que não quebram ou entortam; naturalmente uma opção importada. Interessante para quem aplica muita força nos dedos ao costurar.

      Dedais: dedais são uma controvérsia...para aquelas que nunca usaram, é difícil de adaptar-se, mas para quem vai iniciar, recomendo fortemente, principalmente para quilt em várias camadas de tecido. 
      Escolher dedais é uma atividade bem particular. Você tem que definir o que melhor fica no tamanho do seu dedo ( normalmente são encontrados nos tamanhos pequeno, médio e grande ) e aquele de material que melhor você tolere. Eu gosto muito dos de silicone, que se moldam bem ao dedo e dos de couro, mas não muito macios. É possivel encontra-los em couro reforçado, não muito macio ( furam muito rapidamente e protegem pouco ) e os mais duros ( com vários reforços e que deixam a ponta dos dedos dura ). ainda encontramos em plástico, epóxi, metal e outros materiais.

     Cola: a cola deve ser específica para tecidos. Se você for colar outro material no tecido, não esqueça de consultar o rótulo do frasco para se certificar que é o apropriado.
     Existem colas especiais para algumas aplicações específicas, como em bastão ( caneta ) para afixar bordas e frisos, em bastão de EVA ( cola quente ) indicada para fazer bichinhos, bonecas e guirlandas, as temporárias, para somente fixar o tecido o tempo suficiente para costurar e ainda a spray, para fixar as camadas dos tecidos e manta, antes de quiltar. 
     Se você optar por aplicar colas, certifique-se que elas sejam de boa qualidade para não manchar o trabalho, nem grudar na agulha.

     Lápiz 3B: esta ferramenta é barata e fácil de encontrar em qualquer papelaria. É indispensável para você riscar seus moldes nos tecidos. 
     Existem as versões coloridas, prateada ( excelente ) e que se apaguem em algumas horas ou podem ser removidos com água.

     Giz de alfaiate: alternativa para os riscos à lápiz. Facilita a observação da marcação. Se você preferir usar o giz, verifique que não contenha cera em sua formulação para não manchar seu tecido.
   
     Bem, agora preciso buscar a Lulu na escola. Espero que tenha ajudado. Na próxima edição vamos finalizar as ferramentas e materiais e vamos nos concentrar nas dicas de tecido.

     Boa semana para você.
     Karla

segunda-feira, 29 de julho de 2013

Nosso Patchwork Básico de Todos os Dias

Olá Amiga

Materiais para patch

Tesouras serão bem-vindas no seu atelier

    O interesse pelos trabalhos manuais tem cada vez mais crescido no Brasil. Não só pelo prazer e descontração da realização de uma atividade criativa, que diminui o stress e melhora o humor, mas como uma fonte de renda alternativa, além de possibilitar a produção de uns presentinhos bem originais naquelas ocasiões importantes e sociais na nossa vida, como aniversários, chá de fraldas e Natal, por exemplo. Fazer o enxoval do próprio bebê, motivo pelo qual comecei a me interessar pelo patch, ou para um sobrinho, afilhado ou para o enxoval de casa nova de uma amiga querida, é tudo de bom!

    Para contribuir com sua nova paixão criativa, esta semana vou postar algumas dicas básicas para quem ama os trabalhinhos em patch, mas ainda acha muito caro ou difícil de iniciar. Não tenha medo!!! Ninguém precisa nascer com talento profundo. Basta ter vontade e se empenhar nas técnicas, pois, como você sabe, tudo na vida tem um "truquezinho" para facilitar o nosso sucesso. E não é caro, não! Você pode ir adquirindo suas ferramentas de trabalho aos poucos, sem se sobrecarregar e eu garanto, que só com o básico, já dá para fazer e aprender um montão de coisas, projetos bem legais.
    E eu quero muito contribuir para que você comece com sua terapia criativa.
    Então, lá vão as primeiras dicas. Não se assuste! Eu guio você por esta estradinha. Vem comigo!!!

    Para começar, vamos achar um cantinho para você trabalhar. No início não é preciso um espaço muito grande, você pode costurar na sua mesa de cozinha ou sala de jantar. A iluminação deve ser grande, de preferência com luz natural. Separe um caixa ou cesto para colocar seus materiais da forma mais organizada possível. Se você puder contar com uma gaveta ou prateleira para armazenar tecidinhos e sua cesta, melhor. Pronto! Você já iniciou o seu atelier de patchwork. Parabéns!
    O segundo passo é separar aqueles materiais que você tem em casa. Se não tiver, são os primeiros que deve adquirir. Procure uma casa especializada em patch ou algum armarinho em que você goste de comprar; hoje eles tem diversos materiais de patch disponíveis. E se você for internauta, adquira nos sites de sua preferência e confiança. Eu costumo comprar muita coisa pela internet, sem problema.

    O material básico do patch é constituído pelo trio base de corte, régua para corte e cortador circular. Então, vamos começar por estes itens:

1. Base para Corte: é feita de borracha ou poliéster e foi desenvolvida para ser usada com o cortador circular. Observe que se você estiver interessada em scrapbooking também, esta base será utilizada para ambas as atividades criativas. Esta base não danifica a afiação da lâmina de corte, o que economiza uns bons trocadinhos para você, além de não danificar a sua mesa. Existem vários tamanhos disponíveis para comprar, mas a mais utilizada é a de ( 43 x 59 )cm ou 18" x 23 1/2". Os materiais e projetos em patchwork normalmente são oferecidos em polegadas e não em centímetros, pois nos Estados Unidos, onde o patchwork está difundido desde a época da escravatura ( esta é uma história que posso contar para você em uma outra coluna ) e é por lá que encontramos as novidades e a maior variedade de materiais. Escolha o tamanho que for mais conveniente para você, mas se quiser ter este material para sempre, sugiro não comprar uma base muito pequena. Tenha certeza que você vai utilizá-la bastante.
A base de corte tem longa duração, desde que você a utilize apropriadamente. Nunca a deixe ao sol, não transporte em seu carro deixando-a no porta-malas, nem no calor e não passe tecidos sobre ela, senão ela ficará permanentemente danifica, curvada e você terá que adquirir uma nova base.
Passe um paninho com álcool para mantê-la sempre limpinha e mais nada.
Ah, e não guarde sua base na posição vertical ou encostada em algum lugar, pois ela ficará danificada. A base deve estar sempre depositada sobre uma superfície plana.

2. Cortador Circular: permite cortes precisos e é fundamental para você fazer projetos com qualidade.
DICA: nunca rasgue o tecido que você vai usar em um projeto de patchwork. O rasgo esgarça o tecido e não permite que o trabalho tenha a qualidade necessária. Peça para a vendedora cortar o tecido quando for comprá-los.
As lâminas podem ser facilmente substituídas quando perderem o fio. O cortador você terá para sempre, pois ele é muito resistente.
O cortador é parecido com um estilete, muito afiado, você deve ter muito cuidado ao manuseá-lo e deixar a lâmina sempre retraída quando não o estiver usando. Usa-se em conjunto com a base de corte e a sua lâmina não danifica a base, que absorve o corte e se regenera.

3. Régua para Patchwork: as réguas são feitas de acrílico e existem diversos modelos, para as várias técnicas e projetos de patch.
Como você estará iniciando, sugiro comprar uma régua para uso geral. Esta você também usará para sempre.
A mais indicada é a de ( 15 x 60 )cm, com marcação de 0,5cm. Você também pode comprá-la em polegadas. Com o tempo, muito provavelmente você terá várias réguas e elas serão tanto em centímetros quanto em polegadas para facilitar a tradução de seus projetos, mas por enquanto, escolha uma delas. Observe que a régua deve ser compatível com o tamanho da sua base. Não adiante nada ter uma base grande e uma régua pequena, nem vice versa.
Provavelmente a sua régua terá algumas marcações de ângulos, como 45º e 60º, mas não se assuste. Com o tempo você poderá usar estas medidas. Por enquanto as ignore e se concentre nas medidas principais.
   
    Algumas coisinhas você deve ter em casa: alfinetes, tesouras ( você vai usar uma tesoura somente para tecidos, outra para mantas acrílicas e outra para papéis - muito importante para a preservação do fio da sua tesoura e para obter a maior qualidade possível de seus projetos ), ferro de passar roupas, fita métrica, desmanchador de costuras e linhas de costura.
    Bem, até para estes itens o patch tem suas próprias ferramentas e requerimentos, mas vamos adquirindo devagar, conforme sua vontade de costurar for aumentando.

    Então, vá separando estes materiais e tecidinhos ( em algodão ), linhas de costura e agulhas e vamos iniciar em breve um projetinho de patch juntas.

    Boa Sorte e até a próxima coluna.
    Abraço
    Karla Knorr